segunda-feira ,11 dezembro 2017
Home / Vereadores / Marinor Brito / Veto a bebidas alcoólicas nos estádios vai à votação na CMB na próxima terça-feira,28

Veto a bebidas alcoólicas nos estádios vai à votação na CMB na próxima terça-feira,28

A polêmica sobre a liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol deve terminar na próxima terça-feira, 28, quando será votado o veto do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, ao projeto  de lei de autoria da vereadora Marinor Brito (PSOL) e do ex-vereador Pio Neto (PTB) aprovado pela Câmara Municipal de Belém em novembro de 2015.

A decisão pela apreciação do veto foi determinada após a sessão especial realizada na manhã desta quinta-feira,23, pelo presidente da CMB, vereador Mauro Freitas (PSDC) que chamou para o debate representantes dos principais times de futebol da capital, bem como representantes da  Federação Paraense de Futebol,  OAB-Pará, Ministério Público e Secretaria de Segurança Pública do Estado, além dos parlamentares que compõem a casa legislativa.

Como cidadão e torcedor que frequenta estádios, Mauro Freitas avalia que com a proibição das bebidas dentro das arenas esportivas, os torcedores ficaram ainda mais vulneráveis à violência que ocorre no entorno desses locais. “O que se percebe é que o torcedor que bebe, vai fazer isso de um jeito ou de outro e com essa proibição as pessoas chegam cedo ao local e ficam consumindo as bebidas até poucos minutos antes de entrar no estádio, o que acaba causando confusão e provocando tumultos, porque em geral  muitas delas já estão embriagadas nesse momento”,  disse o vereador , satisfeito com a representatividade dos segmentos envolvidos  presentes á sessão. ” Esse debate é fundamental para que se chegue a um consenso sobre o que é melhor para  o torcedor, que é quem está  sempre presente e quem move toda a dinâmica que envolve o futebol como entretenimento e lazer”, concluiu Freitas.

Para a autora do projeto que permite a comercialização de bebidas alcoólicas nos estádios, o futebol não gera violência. “Há estudos sérios que não comprovaram essa tese. Esses estudos demonstram que não houve aumento de violência nos estádios onde a comercialização de bebidas foi liberada, e que houve sim aumento de arrecadação de impostos, ou seja, de geração de renda”, ressaltou a vereadora Marinor Brito, que destacou o esforço em se debater o assunto com todos os segmentos que compõem o futebol como espetáculo e elemento de cultura e cidadania. “A recepção tem sido muito positiva, tanto na sociedade quanto entre os vereadores de Belém e essa sessão especial é exemplo disso. Minha expectativa é que o veto seja superado e a lei seja sancionada pela Câmara ainda este ano para que entre em vigor já no campeonato paraense de 2018”.

Prévia

Com a participação dos vereadores Adriano Coelho (PDT), Joaquim Campos (PMDB), Moa Moraes, Igor Andrade (PSB) Gustavo Sefer (PSD), Sargento Silvano (PSD) e Toré Lima (PRB), a sessão especial foi uma prévia da sessão ordinária que vai definir se o veto será ou não mantido.  Também presente, o vice-presidente da Federação Paraense de Futebol,   Mauricio Bororó, disse que a entidade vai seguir o que for decidido por seus associados. Marcelo Venâncio, gerente de segurança do Clube do Remo elogiou a iniciativa da CMB. ” O presidente Mauro Freitas acertou em cheio ao promover esse debate hoje. Somos totalmente a favor da liberação, porque em toso os eventos realizados em Belém existe o consumo de bebidas alcoólicas e nenhum tem problema na entrada, mas em jogos de futebol ocorre um verdadeiro caos, muito em função do comportamento das pessoas antes do início dos jogos”, observa Venâncio.

A opinião é compartilhada pelo presidente do Paysandu Sport  Clube, Tony Couceiro; “Essa discussão é muito importante, até porque a proibição de venda de bebida alcoólica nos estádios não foi discutida com ninguém, chegou de supetão e os clubes hoje têm  a chance de mostrar sua posição. O Paysandu é totalmente a favor  da venda de bebidas alcoólicas. Futebol é evento, é entretenimento e todo entretenimento tem cerveja, tem bebida alcoólica. Essa medida tira o torcedor do estádio, e isso diminui o imposto arrecadado pelo Estado, porque o consumo lá fora é de bebidas vendidas de forma irregular”, alerta Couceiro. O dirigente está otimista em relação ao fim do veto. ” Acho que a gente não pode ir contra o que a sociedade quer e a sociedade quer a volta das bebidas dentro do estádio.Esperamos que com essa discussão a gente abra os olhos dos vereadores para que se consiga derrubar o veto e fazer o que é o melhor para todos”, concluiu Couceiro.

Você pode Gostar de:

Vereadores votam pela proibição definitiva das sacolas plásticas nos estabelecimentos comerciais de Belém

As sacolas plásticas distribuídas em supermercados e demais estabelecimentos comerciais da capital podem estar com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *