quarta-feira ,15 agosto 2018
Home / Vereadores / PDT / Adriano Coelho / Sessão especial reabre discussões sobre veto à queima de fogos na Praça dos Estivadores

Sessão especial reabre discussões sobre veto à queima de fogos na Praça dos Estivadores

Vereador Adriano Coelho presidiu o debate entre estivadores e órgãos de segurança pública.

“O sonho de renovar nossa fé todos os anos com a nossa homenagem continua vivo”. O depoimento do mais antigo estivador em atividade no Pará, Roberto Almir Correa, expressa bem o sentimento dos trabalhadores representados pelo Sindicato dos Estivadores do Pará em relação ao veto da tradicional queima de fogos realizada pela categoria durante o Círio de Nazaré na Praça dos Estivadores. O assunto, sempre polêmico, foi debatido nesta quinta-feira,17, na Câmara Municipal de Belém, em sessão especial convocada pelo vereador Adriano Coelho (PDT).

A homenagem dos estivadores à Virgem de Nazaré não ocorreu em 2017 por decisão dos órgãos de segurança pública que, para reduzir riscos de incidentes devido à grande concentração de pessoas no entorno da Praça indeferiram a autorização para a execução do show pirotécnico no local. Como alternativas o Sindicato teria o mesmo local onde já ocorre a homenagem do Sindicato dos Arrumadores ou uma balsa na área da escadinha do cais do Porto, mas nenhuma das opções foi aceita pelos trabalhadores.

“Enquanto Câmara Municipal e representantes da população, precisamos saber  se há possibilidade de conciliar razões e interesses que viabilizem manter uma expressão cultural que já faz parte da história do Círio de Nazaré e também garantir a total segurança de quem participa das procissões, mas como romeiro, que todos os anos faz o trajeto do Círio na corda, eu preciso dizer que a queima dos fogos na Praça dos Estivadores sempre foi uma forte referência e tenho certeza que para milhares de outras pessoas também”, declarou Adriano Coelho.

Em 2013 O Círio de Nazaré recebeu o título de Patrimônio Cultural do Brasil por sua relevância como manifestação cultural. Para a arquiteta Tatiane Borges, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a preservação de expressões culturais dependem de muitos fatores que precisam ser avaliados sob aspectos históricos, técnicos e sociais. ” Sobre a homenagem com a queima de fogos no Círio, é uma das mais bonitas, espero que seja mantida, mas claro sempre tendo em vista a segurança das pessoas que estão ali para apreciar o espetáculo”, observa.

Salim Iunes, encarregado da queima de fogos, afirma que normas técnicas exigidas pelos Bombeiros foram cumpridas.

Divergências

Durante a sessão representantes do Sindicato dos Estivadores e dos órgãos de segurança pública apresentaram seus argumentos e mantiveram seus posicionamentos. O encarregado pela execução da queima de fogos dos estivadores, Salim Yunes, foi bastante enfático ao afirmar que não existe nada, do ponto de vista técnico, que impeça a realização do evento na Praça. ” Além da execução, respondo também pela elaboração e enquadramento dos fogos na legislação e instrução técnica do Corpo de Bombeiros. Então estou aqui para falar de um trabalho que é feito com responsabilidade há sete anos. Nosso nível de segurança é tão alto que é parâmetro para todo o estado”, afirmou.

Pelo Corpo de Bombeiros, o diretor de serviços técnicos, Cel. Hayman Souza, disse que o trabalho da corporação durante o Círio é reduzir os riscos que a população possa correr. ” O Corpo de Bombeiros não veta fogos de artifício em lugar algum, a não ser que as normas técnicas sejam infligidas. Com relação ao uso da Praça dos Estivadores, isso não é da competência dos Bombeiros. O que houve foi o indeferimento da autorização pelas secretarias municipais competentes. Mas sobre a homenagem dos estivadores, eu quero lembrar que a queima de fogos existe por causa do Círio e não o contrário. E o Círio somos todos nós”, disse o oficial.

Secretário-adjunto de gestão da Segup, André Cunha afirma que prioridade continuará sendo a segurança das pessoas que acompanham o Círio.

O posicionamento dos Bombeiros foi reiterado pelo secretário-adjunto de gestão operacional da Segup, André Cunha, que também chamou a atenção para as constantes mutações que o Círio vem sofrendo através da história. ” Como bem lembrou o nosso decano Roberto Correa, o Círio de Nazaré começou com a berlinda sendo transportada em uma carroça. No inicio eram apenas duas procissões, hoje são onze. São transformações que exigem maior preocupação com a segurança de todos que participam desse evento”, avalia o Secretário.

Sobre a discussão em torno da queima de fogos na Praça dos Estivadores, André Cunha disse que a prioridade do governo do Estado continua sendo a de preservar a segurança dos romeiros e afirma que a decisão de liberar o espaço no Círio de 2017 foi acertada. ” Eu acompanhei, filmei e fotografei toda a movimentação ali no ano passado e posso garantir que foi muito mais tranquilo e que houve sim o fluxo das pessoas pela Praça, por isso reitero que a preocupação maior é e sempre será com o Círio como um todo e não com um evento isolado”, ressaltou.

Moisés Souza, presidente do Sindicato dos Estivadores, contesta decisão das autoridades de segurança.

As declarações do Secretário não agradaram o presidente do Sindicato dos Estivadores do Pará, Moisés Costa, para quem os motivos da proibição continuam sem sentido. ” São 69 anos de queima de fogos custeados pela labuta dos trabalhadores, pelo nosso suor. Merecemos no mínimo ter o respeito das autoridades de nos comunicar que não poderíamos fazer a nossa homenagem no local de sempre no ano passado. Tivemos perdas materiais e morais, mas não vamos desistir. Essa sessão, com o apoio do vereador Adriano Coelho, foi um primeiro passo, vamos continuar correndo atrás e tentar sensibilizar a quem de direito da importância de darmos continuidade a essa tradição”, anunciou Moisés.

No final da sessão o vereador Adriano Coelho avaliou como positivo o embate das ideias e opiniões apresentadas e informou que o próximo passo será encaminhar à prefeitura de Belém e ao governo do Estado o relatório da audiência pública para fundamentar a solicitação de apoio no sentido de resgatar a tradição da homenagem dos estivadores no Círio de Nazaré.

 

 

Você pode Gostar de:

41 anos da Igreja Universal é celebrado na CMB

  Uma sessão especial na Câmara Municipal de Belém na tarde desta terça feira, 14, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Skip to content