quarta-feira ,24 abril 2019
Home / Vereadores / PRB / França / Debate sobre câncer uterino incentiva engajamento social na prevenção à doença

Debate sobre câncer uterino incentiva engajamento social na prevenção à doença

Sessão especial realizada pelo vereador França abordou a necessidade de envolver toda a sociedade para conter o avanço do câncer de colo de útero.

A informação como principal forma de incentivar a prevenção ao câncer de colo de útero pontuou o debate promovido pelo vereador Ivanildo França (PRB) nesta sexta-feira, 29,  em sessão especial  alusiva ao Março Lilás, mês nacionalmente dedicado ao combate ao  tipo de câncer que mais mata mulheres na  região Norte, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Os números registrados pelo Inca são preocupantes porque colocam a região Norte em destaque por ser a única, em todo o País,  onde o câncer uterino  tem maior incidência e é a maior causa de morte , superando o câncer de mama, que aparece em primeiro lugar na estatística nacional.  De acordo com o instituto, a estimativa  é que em 2019 haja 860 novos casos de câncer de colo uterino no Pará.

Em nível estadual  dados coletados nas Unidades de Alta Complexidade em Oncologia do Hospital Ophir Loyola (HOL), Hospital regional do Baixo Amazonas (HRBA) e Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), de 2009 a 2016, o câncer do colo do útero foi o mais prevalente no Pará com 2.537 casos, seguido do câncer de mama com 2.206 casos. No que se refere aos óbitos por câncer cervical, o Pará vem registrando queda desde 2016, quando foram registrados 350 óbitos. Caiu para 346 óbitos em 2017 e 321 em 2018.

Esse quadro alarmante que põe em risco a vida de tantas mulheres, motivou o vereador França  a trazer essa discussão para a Câmara Municipal de Belém. ” Aproveitamos que o mês de março é todo dedicado às mulheres para , por meio do conhecimento especializado das nossas convidadas, fazer uma sessão especial voltada para orientar e conscientizar o maior número possível de mulheres sobre a importância do exame preventivo e também para derrubar mitos e tabus que ainda existem em torno do PPCU, a exemplo do que acontece entre os homens quando o assunto é o exame de próstata”, observou França.

Participantes da sessão especial puderam tirar dúvidas e receber mais informações sobre o câncer uterino e as formas de prevenção à doença.

 

Março Lilás

O câncer de colo de útero pode ser detectado facilmente nos exames preventivos, como o Papanicolau, por exemplo. Se diagnosticados precocemente as chances de cura chegam a quase 100%. A programação da campanha Março Lilás na rede pública  inclui a busca ativa de mulheres de 25 a 64 anos de idade para realizarem o exame preventivo do câncer do colo do útero (PCCU) nas unidades de saúde, bem como a vacinação contra HPV,  sendo que esses serviços ficam disponíveis durante  todo o ano.

Professora do curso de especialização em Enfermagem Oncológica  da faculdade de Enfermagem da UFPA, a vereadora Enfermeira Nazaré Lima (PSOL), abriu os debates fazendo uma apresentação bem didática sobre o surgimento do câncer uterino no organismo feminino, a evolução silenciosa da doença e ainda sobre o procedimento do exame em si que, segundo a vereadora, ainda é evitado por grande número de mulheres. ” Infelizmente a evolução do câncer muitas vezes ocorre porque as mulheres não fazem e nem são incentivadas a fazer o exame em função de questões pessoais como o medo, a vergonha, o constrangimento diante do médico e, por incrível de pareça, até porque maridos e companheiros ciumentos e machistas não permitem que elas sejam examinadas”, alertou.

Nazaré Lima também chamou a atenção para a importância da vacina contra o HPV, referindo-se à  campanha nacional de mobilização, coordenada pelo Ministério da Saúde com o objetivo de  imunizar pelo menos 80% das meninas de nove a 13 anos de idade, num total de 1,7 milhão crianças e adolescentes, e que em 2017 passou a incluir gratuitamente a vacina também para meninos na faixa de 12 a 13 anos.

Representante da Secretaria Municipal de Saúde na sessão, a coordenadora de Políticas de Saúde da Mulher, Camila Crassta Correa, enfatizou o avanço das ações de conscientização para a prevenção do câncer uterino, com o engajamento dos gestores e entidades públicas. ” Abrir espaços como esse aqui na Câmara Municipal para orientar e esclarecer dúvidas sobre um tema tão importante, é fundamental para conter o avanço dessa doença que só no Pará causa a morte de 300 mulheres  a cada mês, em média. Desse total pelo menos 80 são de Belém.  Ou seja, a situação é grave e precisa do comprometimento de todos, homens e mulheres”, disse Camila, enfatizando  que  ações como a recente inauguração da URE Mulher, pela Prefeitura de Belém, são importantes aliadas para reverter  o quadro atual. ” Com a URE Mulher, que é uma casa de saúde de nível secundário, o município pode garantir atendimento para mulheres referenciadas pelas unidades básicas, nos casos em que os exames preventivos apresentarem alterações”, explicou Camila.

A vacinação de crianças e jovens contra o HPV também foi destacado no pronunciamento de Camila Crassta. ” Apesar de todo o nosso empenho, ainda enfrentamos resistência dos pais em levar  seus filhos para vacinar. Essa vacina é caríssima na rede privada e na rede pública o acesso é gratuito. Então é importante disseminar  essas informações e incentivar cada vez mais a vacinação”.

Você pode Gostar de:

Duas leis municipais sofrem alterações

Com aprovação dos vereadores presentes em plenário nesta segunda-feira, duas leis municipais sofreram alterações. Os …

Skip to content